No menu items!
11.3 C
Vila Nova de Gaia
Sábado - 2 Março 2024

“Com amigos chegados. Voltar à terrinha uma vez ao ano, no verão”

Destaques

Nome: Deolinda Dias
Idade: 42 anos

Vive: Gustavia, Saint-Barthélemy (Caraíbas)
Profissão:
Gerente de um Bar em Gustávia
Emigrante: 20 anos

Matar as saudades de Portugal não é fácil. A parte mais difícil de ser emigrante, com certeza é estar longe da família, sobretudo da minha filha mais velha e dos amigos de infância que com o tempo se vai perdendo contacto. Todo o emigrante tem as suas razões para deixar Portugal. Ter e dar uma vida melhor aos nossos entes queridos, mas também ter novas experiências de vida, isto é, adaptar-se a uma nova língua e cultura. Fazer novas amizades e evoluir a nível profissional. O trabalho duro e os amigos chegados é que nos ajudam a aguentar o dia a dia e matar as saudades do nosso país. É a pensar nas pessoas em Portugal que zelam por nós e nos objetivos que tivemos há anos que nos tornam mais fortes e batalhamos todos os dias. A solução para matar as saudades, claramente, é voltar à “terrinha” uma vez ao ano, no verão. Rever a família, a cultura, e aproveitar o bom tempo que o país oferece. Durante o ano, a gente mata as saudades com ligações e mensagens com as pessoas mais importantes. Atualmente continuo a viver em Saint-Barthélemy junto do meu marido e do meu filho.  

Ver Também

Solidariedade e empreendedorismo: as marcas do percurso de Casimiro Gaspar na Flórida

A comunidade lusa nos Estados Unidos da América (EUA), cuja presença no território se adensou entre o primeiro quartel...