No menu items!
11.3 C
Vila Nova de Gaia
Sábado - 2 Março 2024

EXCLUSIVO: Burel Factory prima pela inovação nos artigos que produz

Destaques

Quem pensa que o Burel é aquele produto típico só dos pastores das montanhas, está muito enganado. A Burel Factory, deu uma nova roupagem e utilização desta lã que provém das ovelhas bordaleira e de churra. Já existe em várias cores e feitios, com novos padrões, mas sempre com a sua produção manual na arte do tear. É um produto nobre, resistente à chuva e poeiras. Quem não gostaria de ter no seu roupeiro uma peça em Burel, ou uma mantinha para manter as pernas quentinhas, ou talvez uns sapatos resistentes à água e ao frio?

A Burel Factory surge quando “decidimos avançar com um processo de recuperação de uma antiga fábrica de lanifícios da Serra da Estrela”, e recuperar a arte do burel, as máquinas ancestrais e as pessoas que nelas trabalhavam.

Mantiveram as máquinas do século XIX, “reciclámos alguns padrões dos antigos livros de debuxo que ainda hoje utilizamos em algumas mantas. E começaram a dar cor ao burel que até à data só existia nas cores originais da lã.

“Colocámos os antigos mestres dos teares a ensinar os mais novos, de modo a incrementar a passagem de testemunho e não deixar morrer essa arte das mãos. Em 2012 abriram a primeira loja em Lisboa, no Chiado, que mantemos até hoje, e em 2015 subimos até ao Porto, na Rua de Mouzinho da Silveira.”

Temos um mercado dividido, 50% é em Portugal e os outros 50% vão para o estrangeiro.

Este material tão completo e resistente provém unicamente de lã de ovelha bordaleira e de churra, das raças autóctones portuguesas. Compram a lã aos pastores locais, a qual já chega lavada de poeiras e de gordura natural em fardos de 200kg, muito densa e compacta. “Até termos o burel, a lã passa por várias etapas: cardação; fiação; tecelagem e ultimação.”

O burel prima pela versatilidade, razão pela qual a Burel Factory tem vindo a alargar o leque de produtos a vários segmentos. Sendo um tecido muito resistente, não perde forma nem cor. É respirável e ainda repele água e poeiras. Junta-se o facto de haver várias gramagens disponíveis, o que sugere uma infinidade de aplicações, desde o design de interiores, à roupa, da decoração aos acessórios, objetos, arte e design.

Os artigos que são mais procurados são as mantas, almofadas, cachecóis, echarpes, painéis de parede e vestuário.

Este tipo de artigo é muito conhecido, cá e lá fora, até os emigrantes apreciam e compram produtos feitos de Burel. E somos muito acarinhados por eles e eles por nós.

As parecerias

Estão sempre abertos a parcerias nas mais diversas frentes. “Temos algumas em vigor neste momento, com a Sanjo, Diverge, Lachoix, Vibae, e outras.” Gostam sempre de novos desafios, “por isso uma parceria é sempre um desafio de nos reinventarmos um bocadinho e continuar a inovar”.

Só fazem parcerias com marcas que partilhem “os nossos valores no que diz respeito à valorização do Made in Portugal, e que tenham uma elevada consciência sustentável.” Normalmente essas marcas têm um grande cuidado na aquisição das matérias-primas a fornecedores certificados, usam materiais sustentáveis com origem e fontes responsáveis.

Ver Também

Solidariedade e empreendedorismo: as marcas do percurso de Casimiro Gaspar na Flórida

A comunidade lusa nos Estados Unidos da América (EUA), cuja presença no território se adensou entre o primeiro quartel...