No menu items!
17.8 C
Vila Nova de Gaia
Sexta-feira - 19 Abril 2024

Exposição dos artesãos Murtoseiros no COMUR-Museu Municipal da Murtosa

Destaques

No próximo domingo, dia 7 de abril, pelas 16H00, terá lugar a inauguração da exposição conjunta dos artesãos Murtoseiros José Correia e Júlia Matos, que apresentarão, respetivamente, trabalhos em madeira e manualidades em crochê. A mostra, organizada pelo Município da Murtosa, pode ser vista até ao dia 30 de abril no horário de funcionamento do espaço museológico.

José Correia

José António Martins Correia nasceu a 11 de junho de 1959, nas Quintas do Norte, freguesia da Torreira e Concelho da Murtosa. É casado e tem dois filhos. Fez a terceira classe nas Quintas do Sul e a quarta nas Quintas do Norte. Aos 14 anos começou a trabalhar, como aprendiz, nos Estaleiros de Construção Naval de S. Jacinto, em Aveiro. Com os anos foi ganhando experiência e passou a exercer a função de carpinteiro de primeira.

Trabalhou em vários locais, em empresas e também com conta própria. Em 2003 foi trabalhar para o estrangeiro, ao serviço da carpintaria que trabalhava naquela altura. Foi passando por vários países, até que, em 2011, começou a trabalhar para uma carpintaria espanhola – Montage Nobre – onde trabalha atualmente.

O gosto pela madeira e pelos trabalhos manuais vem desde muito cedo. Aos 25 anos fez a sua primeira miniatura em madeira. Desde então, até hoje, passa grande parte do seu tempo livre na construção de belíssimas miniaturas em madeira, que refletem as atividades tradicionais, em particular o setor agrícola.

Júlia Matos

Maria Júlia Henriques Tavares Sousa Matos, nasceu a 13 de dezembro de 1942, na freguesia do Monte, Concelho da Murtosa. Fez a terceira classe na Murtosa e a quarta no Distrito de Setúbal. Começou desde muito cedo a trabalhar, aos 10 anos de idade, a servir numa casa, na Murtosa, onde permaneceu até aos 20 anos.

Aos 21 anos, à semelhança de muitas conterrâneas, foi trabalhar para uma “seca do bacalhau”, em Alcochete, onde conheceu o seu marido. No final da safra empregou-se na fábrica de pneus da Firestone. Apaixonada pelos trabalhos manuais, comprou uma máquina de tricotar, para fazer camisolas em casa.

Mais tarde, juntou-se ao seu marido que, entretanto, havia emigrado para França. Aos 45 anos de idade, regressou a Portugal, dedicando-se a cuidar de idosos na sua própria residência. Nos seus tempos livres, passou a dedicar-se às artes manuais. Bonecos em crochê, arraiolos, ponto cruz e trabalhos em jornal, são alguns dos exemplos de trabalhos feitos à mão que ainda hoje, com 81 anos de idade, faz com grande critério e perfeição.

Ver Também

EXCLUSIVO: O Mundo das grandes Indústrias Farmacêuticas

Fomos ao mundo das grandes empresas farmacêuticas a nível mundial e o destino levou-nos a Basileia, na Suíça, onde...