No menu items!
11.3 C
Vila Nova de Gaia
Sábado - 2 Março 2024

Marco de Canaveses: História e Natureza, duas áreas a explorar

Destaques

Estivemos em terras do Marco de Canaveses, onde a paisagem verdejante domina, e o rio Tâmega serpenteia mais abaixo as encostas. Paragem obrigatória, o rio chama-nos. Pura sorte termos encontrado mais um amante da natureza. Luís Monteiro, de 59 anos, vive em Sobretâmega, ex-emigrante 22 anos na Suíça, no cantão alemão. Foi um trocar de palavras rápida de quem quer estar em conivência com o meio natural, e seguiu a sua vida.

E nós a nossa, fomos “desaguar” ao Tâmega onde a ponte prometida já tinha passado à história. A edificada Igreja S. Nicolau de Canaveses, encontra-se na berma do rio Tâmega. É uma Igreja do século XIV, e o seu estado de preservação é bom. Não estava aberta, não pudemos ver o seu interior, mas um dia quiçá nos façam uma visita guiada. Sobre a Igreja pouca história há a contar, mas registámo-la vezes sem parar. É muito bonita e o local estava implantada estava em perfeitas condições, com muito arvoredo.

Ao fundo Igreja S. Nicolau de Canaveses.

Segundo alguns estudiosos, a primeira ponte sobre o Tâmega foi construída no Império de Trajano (no ano 110 da era cristã), para dar continuidade à Via romana, construída para facilitar a deslocação dos romanos de Tongobriga ao litoral.

Todavia, a sua importância foi recuperada e aproveitada, sobretudo ao longo da Idade Média. “Sendo uma alternativa à viagem fluvial até ao Porto pelo Douro”, a via que ligava o interior duriense à costa do atlântico, atravessava o Tâmega em Canaveses e entroncava em Penafiel na velha estrada de Amarante para o Porto.

Foi reedificada por D. Mafalda, adquirindo o aspeto de românica. São muitas as estórias que associam a edificação da ponte românica de Canaveses a D. Mafalda, tendo a historiografia procurado identificar se a obra se deve a D. Mafalda de Saboia (1125-1157), mulher do primeiro rei de Portugal, ou à sua neta e beata de Arouca (1195-1256).

Segundo tradições avidamente veiculadas pelas monografias locais, a primeira delas teria mandado construir a ponte de Canaveses, dotando São Nicolau de um hospital e albergaria para apoio a pobres e viandantes.

Independentemente da autoria da reedificação, o certo é que a travessia de Canaveses foi uma obra que se prolongou pelos séculos XII a XIV, tendo beneficiado de legados e dotes de indivíduos que procuravam contribuir piedosamente para este tipo de obras públicas.

Na Idade Média foi parte integrante da antiga rua de Canaveses, arruamento principal da Vila de Canaveses e numa das suas saídas, na de São Nicolau, se edificaram o Cruzeiro do Senhor da Boa Passagem e a Capela de São Lázaro.

As invasões francesas

Foi palco de vários feitos militares, entre os quais as Invasões Francesas e as Lutas Liberais. Em março de 1809. Esta ponte foi vítima da segunda invasão francesa, tendo sido demolida parte dela para impedir a passagem das tropas de Soult.

Para celebrar tal feito foi colocada uma pedra comemorativa com o título “Não Passaram!” onde se descreve o acontecimento. Essa pedra ainda existe e atualmente está colocada junto ´à Igreja de São Nicolau de Canaveses. Nas lutas Liberais ela assistiu ao confronto das forças constitucionais, que estavam em Sobretâmega e as miguelistas que estavam em S. Nicolau.

De dimensões extraordinárias, mesmo para uma ponte medieval (com cinco arcos), foi demolida e substituída por uma outra, muito idêntica, na década de 1940. Esta também já extinta, devido à subida das águas do rio, provocada pela Barragem do Torrão. No ano de 1988 a ponte ficou submersa e foi despida de alguns aspetos da sua traça original e, em 1991, como se não bastasse foi “vítima de um crime atroz”, demolida perante os olhares tristes das duas populações vizinhas que desde sempre a conheceram. “Substitui-a a atual ponte de betão, inaugurada em 1988. Além de fazer desaparecer a antiga ponte e parte da antiga Vila de Canaveses, a barragem do Torrão contribuiu significativamente para a alteração da paisagem do Vale do Tâmega no Marco de Canaveses”. Esta informação foi-nos cedida pela Rota do Românico e a Câmara Municipal de Marco de Canaveses ao qual nós agradecemos.
Fonte: https://www.rotadoromanico.com/pt/monumentos/igreja-de-santa-maria-de-sobretamega/ e Visit Marco https://visit.marcodecanaveses.pt/marco-tour/ponte-de-canavese

Ver Também

Solidariedade e empreendedorismo: as marcas do percurso de Casimiro Gaspar na Flórida

Casimiro Gaspar na Casa do Gaiato de Maputo, meritória instituição a favor das crianças e jovens moçambicanos, que tem...