No menu items!
16.5 C
Vila Nova de Gaia
Quarta-feira - 22 Maio 2024

“PORTUGAL CHAMA. POR SI. POR TODOS.”

Destaques

Como o próprio título refere, nunca é demais reforçar a ideia, para que casos como o de Pedrogão Grande não se voltem a repetir. Desde 2019 que se tem apelado a todos os proprietários para que este flagelo do verão não venha a abrir títulos de jornais e televisões. Quem tem uma casa no campo ou na floresta está mais vulnerável aos incêndios pela proximidade de vegetação. Gerir o combustível à volta das edificações é a melhor forma de prevenir que um incêndio o atinja a si e aos seus bens. Por isso, cumpra as normas e restrições em vigor.

Desde 2019, que a campanha nacional de mobilização intitulada de “Portugal Chama. Por Si. Por Todos.” tem chamado pelos portugueses, e os portugueses têm ouvido!

Os resultados apurados revelam que há uma “clara” redução do número de incêndios, incluindo em dias de meteorologia mais severa, o que é um resultado muito positivo.

No ano de 2023 registaram-se cerca de 7.600 incêndios, o que representa menos de 1/3 da média registada entre 2001-2017 (cerca de 25.000). Parte desta tendência é consequência de medidas que se têm vindo a desenvolver no terreno, pelas várias entidades do SGIFR, sensibilização, fiscalização, medidas de proximidade, vigilância, ações de dissuasão, entre outras.

Há claras evidências que as pessoas têm vindo a adequar os seus comportamentos, por exemplo ao preferir cada vez mais o inverno e a primavera para queimas e queimadas, que antes eram frequentemente realizadas no verão. Aqui também a disponibilização de mecanismo de apoio à decisão para queimas e queimadas da responsabilidade do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, muito tem contribuído para informar e auxiliar os agricultores e pastores, contribuindo para a redução do número de potenciais incêndios.

A campanha Portugal Chama também tem gerado frutos para estes resultados positivos conseguindo atingir os diversos públicos-alvo e sensibilizando a população que agora se encontra mais informada, adequa os seus comportamentos, cumpre as regras de segurança, sabe como se proteger, preocupa-se em ter um território mais resiliente aos incêndios rurais e tem uma maior perceção global do risco.

No entanto, o perigo continua aí e por isso é necessário continuar a mobilizar toda a gente e cada um de nós, pois a “prevenção começa em si”. Se em 2019 a campanha fazia um apelo a todos os portugueses, volvidos 5 anos, é necessário voltarmo-nos para o que cada um de nós pode fazer de diferente para contribuir para um Portugal mais protegido de incêndios rurais.

A verdadeira mudança e minimização do impacto dos incêndios ocorre na sua prevenção, pois apostar apenas na supressão e nos meios será sempre insuficiente e bastante mais dispendioso para todos os portugueses. Agora em 2024 com um novo mote, grafismo e novos conteúdos a campanha é direcionada a toda a população, independentemente da região, e procura promover mudanças reais através das ações individuais de todos.

“Portugal Chama”, da responsabilidade das entidades do SGIFR e com chancela da República Portuguesa, integra a participação de todas as áreas governativas e serviços tutelados envolvidos na prevenção e supressão dos incêndios rurais e ainda com mais de 60 empresas privadas que colaboram ativamente na divulgação da campanha. Segue infra o que pode e deve fazer em caso de incêndio:

PREPARE-SE E PROTEJA-SE DOS INCÊNDIOS”

Se um incêndio se aproximar de sua casa:

– Avise os vizinhos

– Regue as paredes, telhado e 10 metros à volta de casa

– Feche portas, janelas e outras aberturas, corra as persianas ou portadas

– Retire mobiliário, lonas ou lenhas próximas da habitação

– Caso tenha condições de segurança, desligue e retire as botijas de gás para um local seguro

– Afaste o que possa arder junto às janelas e coloque toalhas molhadas nas frestas

– Se não correr perigo, apague pequenos focos de incêndio com água, terra ou ramos verdes

SIGA AS INDICAÇÕES DAS AUTORIDADES

Se ficar cercado por um incêndio:

– Dirija-se para um abrigo ou refúgio coletivo. Se não estiver próximo, procure uma zona preferencialmente plana, com água ou pouca vegetação

– Respire junto ao chão, se possível através de um pano molhado, para evitar inalar o fumo

– Cubra a cabeça e o resto do corpo

– Utilize um lenço húmido para proteger a cara do calor e dos fumos

COMUNIQUE A SUA SITUAÇÃO ÀS AUTORIDADES ATRAVÉS DO 112

Em caso de confinamento na habitação:

– Mantenha a calma

– Afaste as cortinas e sofás que estejam junto às janelas

– Feche portas, janelas e outras aberturas que possibilitem a entrada de faúlhas para o interior

– Coloque toalhas molhadas nas frestas das portas e janelas

– Fique longe das paredes

– Procure abrigo nas divisões do extremo opostoda habitação em relação ao lado por onde o incêndio se está a aproximar

– Espere que o fogo passe e, posteriormente, verifique a existência de focos de incêndio na envolvente da habitação e no seu telhado

COMUNIQUE A SUA SITUAÇÃO ÀS AUTORIDADES ATRAVÉS DO 112

Em caso de evacuação:

– Mantenha a calma e cumpra as indicações das autoridades

– Ajude as crianças, idosos e pessoas com limitações de mobilidade

– Leve o seu kit de evacuação e documentos de identificação

– Não perca tempo a recolher objetos desnecessários e não volte atrás

– Feche as portas e janelas à medida que sair

– Leve consigo os animais de companhia

– Dirija-se rapidamente ao local de abrigo ou refúgio coletivo mais próximo.

SIGA AS INDICAÇÕES DAS AUTORIDADES

URL VÍDEO: https://youtu.be/C7b0a952P3E

Ver Também

EXCLUSIVO: Lusodescente é Vereador do município Londrino de Lambeth

Diogo, nasceu em 1998 em Lambeth (o município londrino com mais falantes de português no Reino Unido), é descendente...